Versão topo de linha Premier tem desempenho melhor, mas perde no consumo Christian Castanho/Quatro Rodas

O novo Chevrolet Tracker encerrou o primeiro semestre deste ano com 11.235 unidades vendidas. É número que pode ser considerado bom, já que o SUV foi lançado em meados de março, às vésperas da epidemia de Covid-19 se alastrar pelo Brasil.

O modelo chegou com duas opções de motorização: 1.0 turbo de 116 cv, herdado da família Onix e o inédito 1.2 turbo de 132 cv.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Mas, como nós bem contamos, os dois motores são extremamente parecidos e compartilham grande parte dos seus componentes. Daí vem a questão: qual dos dois rende melhor no SUV compacto?

Tracker 1.0 Turbo em versão para PCD Fernando Pires/Quatro Rodas

Como era de se esperar, o Tracker 1.0 turbo tem números melhores no consumo, mas o 1.2 turbo surpreende por não ficar tão atrás.

Continua após a publicidade

 

Enquanto o 1.0 marca 11,7 km/l na cidade e 14,5 km/l no trecho rodoviário, o 1.2 turbo faz 11,3 km/l no trecho urbano e 13,8 km/l no rodoviário.

 

Entretanto, quando o assunto é desempenho, o motor exclusivo do Tracker se sai melhor: o 1.2 turbo precisa de parcos 10,1 segundos para atingir os 100 km/h. Já a equipada com o propulsor 1.0 turbo demanda 11,8 segundos.

SUV compacto tem faróis estreitos que com elementos internos que prolongam a grade Christian Castanho/Quatro Rodas

O tempo da arrancada até os 100 km/h – 1,7 segundo menor na versão 1.2 – parece indicar um desempenho muito superior para a configuração topo de linha, entretanto, os tempos de retomada quase idênticos mostram que, na verdade, as duas mecânicas entregam desempenho próximo.

Continua após a publicidade

A maior vantagem das versões 1.2 está mesmo no pacote de equipamentos.

 

O propulsor menos potente equipa três versões: a primeira, para o público PcD, sai por R$ 70.000; a segunda, sem nome, é a única com câmbio manual de seis marchas, e custa R$ 87.490, já a mais completa, LT com câmbio automático, tem etiqueta fixada em R$ 95.980.

Versão para PcD vem sem guias de led nas lanternas traseiras Fernando Pires/Quatro Rodas

Da mesma forma, o Tracker com o novo motor turbo de 1,2 litros também é dividido em três configurações, todas com câmbio automático: a de entrada, sem nome, sai por R$ 96.390; a intermediária, LTZ, por R$ 106.490 e a topo de linha, Premier, é vendida a R$ 119.490.

Clique aqui para ver os itens de série de cada uma das versões do Chevrolet Tracker. 

Continua após a publicidade

Um levantamento mostrou que em abril, primeiro mês cheio do carro no mercado, as versões mais caras (LTZ e Premier) concentraram 80% das vendas do Tracker.

Confira na tabela abaixo os dados de desempenho e consumo das versões:

Chevrolet Tracker 1.0 turbo Chevrolet Tracker 1.2 turbo
 

Consumo

 

Urbano: 11,7 km/l

Rodoviário: 14,5 km/l

 

Urbano: 11,3 km/l

Rodoviário: 13,8 km/l

0 a 100 km/h 11,8 segundos 10,1 segundos
 

Retomadas

 

40 a 80 km/h: 4,93 s

Continua após a publicidade

60 a 100 km/h: 5,72 s

80 a 120 km/h: 6,97 s

 

40 a 80 km/h: 4,47 s

60 a 100 km/h: 5,72 s

80 a 120 km/h: 6,97 s

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Arte/Quatro Rodas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here