Protótipo foi criado para concorrer com Fiat 500 “Topolino” e VW Fusca Kinja/Reprodução

É bem provável que, ao falar de Bugatti, você lembre de carros superesportivos – e BEM caros. Mas sabia que, para sobreviver à Segunda Guerra Mundial, a empresa quase produziu um rival para o nosso conhecido (e modesto) Volkswagen Fusca?

Com a fábrica de Molsheim, na França, completamente destruída pelos conflitos na Europa, o próprio Ettore Bugatti supervisionou o desenvolvimento de um pequeno conversível projetado pelo filho Roland, à época com 25 anos, na capital Paris.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Batizado Type 68, o modelo seguia a receita do Fiat 500 “Topolino” – considerado um ícone da indústria automotiva italiana –, com espaço para duas pessoas e motor pequeno. Mas somente um protótipo foi construído pela empresa entre 1945 e 1946.

Continua após a publicidade
Compacto, o Bugatti Type 68 tinha apenas 3,82 m de comprimento Kinja/Reprodução

É claro que essa aposta pela racionalidade, bem diferente da tradição com veículos luxuosos e carros de corrida, não foi por acaso: além do mercado europeu devastado pelo pós-guerra, a Bugatti estava endividada e precisava se tornar rentável.

Apenas uma unidade, ainda como protótipo, foi fabricada pela marca Kinja/Reprodução

O Type 68 recebeu motor de quatro cilindros igualmente revolucionário (e pequeno). Com só 318 cm², o protótipo trazia recursos pouco comuns, como cabeçote 16V com duplo comando de válvulas, compressor mecânico e bloco de alumínio.

Havia espaço para apenas duas pessoas, como no Fiat 500 “Topolino” Atraccion 360/Reprodução

Com apenas um terço do tamanho do motor utilizado pelo Chevrolet Joy, o Bugatti tinha 48 cv de potência – significa que, se tivesse 1.000 cm³, renderia 151 cv. Isso para mover só 762 kg, quase o mesmo peso do Renault Kwid na versão pelada.

Motor era pequeno, mas trazia soluções refinadas para a época Kinja/Reprodução

Para completar o conjunto mecânico, Ettore Bugatti planejava um sistema de transmissão de duas marchas com conversor de torque e uma opção com embreagem eletromagnética. Para não revelar detalhes nos testes, o sistema foi instalado em uma moto.

Led de roda se tornou tendências para os entusiastas automotivo para terem um novo visual, utilizando o led de roda seu passeio fica mais legal e animado, as luzes coloridas atraem a atenção de muitos espectadores. Clique aqui e saiba mais

Continua após a publicidade
Segunda unidade do projeto foi finalizada com ajuda de restauradores Classic and sports car/Reprodução

Ao longo da década de 1940, o fabricante ainda criou outros três motores – um semelhante ao primeiro, mas com 370 cm³ e apenas 8V, enquanto os demais eram dois-tempos, também sobrealimentados –, além de diversas opções de carroceria.

Batizado Type 68 B, o modelo tinha inspiração no Type 57 SC Atlantic Classic and sports car/Reprodução

Com a morte do patriarca em 1947, o desenvolvimento do modelo de entrada perdeu força e acabou engavetado pelo filho Roland Bugatti, que assumiu o controle da marca, e pelo diretor Pierre Marco. No lugar, lançaram o Type 101, criado sobre a base do Type 57.

Modelo seguiu o projeto original e utilizou peças que não foram montadas Classic and sports car/Reprodução

O protótipo original apresentou defeito no sistema de câmbio e acabou encostado no galpão da Bugatti, assim como todos os esboços do Type 68. Com o primeiro fim da empresa, na década de 1950, o modelo acabou no acervo do museu Cité de L’Automobile.

Bugatti 57 SC Atlantic serviu de inspiração para versão fechada Divulgação/Bugatti

Ainda há uma unidade remanescente, que não foi finalizada a tempo pela Bugatti, mas acabou montada décadas depois por restauradores, conforme os projetos originais. E diferentemente da primeira versão, o Type 68 B tem carroceria fechada.

Continua após a publicidade

Essa segunda opção foi inspirada no clássico 57 SC Atlantic, considerado um dos veículos mais bonitos já feitos pela marca. É claro que há diferenças de tamanho e proporções, mas detalhes como os rebites aparentes na carroceria foram mantidos.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here