Conheça dez itens que já foram muito cobiçados e hoje acabaram se perdendo

Vale tudo

 (Acervo/Quatro Rodas)

Como os carros importados só vieram a partir de 1990, antes a criatividade rolava solta no mercado para gerar opções diferentes das que eram oferecidas pelas quatro montadoras (VW, Fiat, Chevrolet e Ford). Dominavam então os esportivos fora de série como a Puma (foto) e as picapes transformadas pela Sulam e Souza Ramos.

Olha o zé frisinho!

Gol GTI

 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na década de 80, Monza Classic, Diplomata e Gol GTi (foto) tinham borrachões nas laterais. Chamativos e cobiçados, além de um simples adereço, eles protegiam as portas de batidas leves. Hoje, quando muito, ver um par de frisos estreitos nos carros mais caros é raro.

Troncos e pernas

 (Acervo/Quatro Rodas)

O quebra-mato tinha originalmente a função de empurrar troncos pelo caminho, mas Strada Adventure (foto) e Montana Off Road se renderam ao acessório que anos depois foi aposentado porque poderia ferir pedestres e ganhar o apelido de quebra-pernas.

Num piscar de olhos

 (Acervo/Quatro Rodas)

Faróis escamoteáveis estrearam no Cord 1936 e se popularizaram a partir dos anos 1960. Comum nos esportivos, foi perdendo força com o tempo. O Chevrolet Corvette lançou mão desse recurso desde a segunda (1963) (foto)até a sexta geração (na versão Z06 2004).

Um peso nas costas

 (Acervo/Quatro Rodas)

Estepe na tampa traseira veio dos jipes e se popularizou nos utilitários. O EcoSport (foto) estreou em 2003 e depois vieram Crossfox, Idea e Doblò, mas o estepe dificultava o acesso ao porta-malas. Assim, o único que insiste na ideia é o próprio Eco.

Fogo de palha

 (Acervo/Quatro Rodas)

Surgido em 1925 nos carros americanos, o acendedor de cigarros era visto na maioria dos carros até 2000. Para não dizer que hoje não tem serventia, pelo menos os soquetes desses carros ainda podem ser usados como tomada 12 V para acessórios elétricos.

Fora de moda

 (Acervo/Quatro Rodas)

Saia e blusa, não os acessórios femininos, mas os automotivos, já ditaram moda, como a pintura em dois tons de Kombi, Monza Classic (foto) e Diplomata. Apesar de hoje alguns terem o teto preto, vermelho ou laranja, esses não incluem o capô.

Cinturão à toda prova

 (Acervo/Quatro Rodas)

Era só fechar a porta e o cinto corria por trilho no teto prendendo o ocupante. Usado no VW Rabbit 1975, parecia genial, mas problemas de custos e dificuldade de acesso o impediram de se expandir pelo mundo. Deixou de ser oferecido em 1981 nos EUA.

Portas fechadas

 (Acervo/Quatro Rodas)

As portas suicidas surgiram no início do século 20, entretanto eram suscetíveis a acidentes. Perdendo popularidade no final de 1940. Lincoln Continental e Ford Thunderbird ainda resistiram nos idos de 1970. Hoje a Rolls Royce é a única que mantém a tradição.

Imposto bancário

 (Acervo/Quatro Rodas)

Se fosse hoje, nenhuma montadora ousaria colocar bancos na caçamba de uma picape… Foi o que a Subaru fez em 1978 com a Brat, um utilitário vendido nos EUA. O plano era classificá-lo como veículo de passageiro e pagar menos imposto. Não foi para a frente.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de abril da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here