Tela do novo Ford Edge vai além da multimídia e também serve para controlar sistemas como ar-condicionado Divulgação/Ford

Se o Ford Edge 2021, já apresentado nos Estados Unidos, não trouxe grandes mudanças externas, o destaque ficou por conta da imensa central multimídia que agora equipa o SUV.

A tela de 12 polegadas vertical foi escolhida para aproveitar ao máximo as funções do sistema de entretenimento SYNC 4, que estreou no Mustang Mach-E. A tela substituiu quase todos os botões físicos do console. Mas, convenhamos: não parece original.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 5,90

Item de série em todos os modelos do novo Edge, ela é ainda maior que a oferecida como opcional no Explorer, de 10.1 polegadas. As duas, entretanto, são pequenas se comparadas ao visor de 17 polegadas do Tesla Model S.

De acordo com a fabricante americana, uma das principais vantagens de um visor tão grande é otimizar a experiência multitarefas. Assim, o motorista consegue seguir as coordenadas do mapa do SYNC 4 enquanto acessa e navega pelas suas músicas ou usa um aplicativo, por exemplo.

Sem espaço no painel, botões físicos como os do ar-condicionado foram substituídos por comandos na tela. Ford/Divulgação

A vida dos usuários de Android e iOS também ficou mais fácil, já que o modelo trará suporte às versões sem fio do Android Auto e Apple CarPlay. A Ford preferiu otimizar as quatro entradas USB — incluindo uma USB-C — para função de carregamento, mas elas seguirão conectáveis ao celular.

Multitarefas é uma das principais apostas do SYNC 4, ainda que o Edge conte com vastos comandos no volante e controle por voz Divulgação/Ford

Angela Cascaden, diretora de marketing da Ford para o Edge, ressaltou que a intenção é tornar o modelo atrativo para usuários assíduos de tecnologia. Desse modo, outras funções do novo SYNC receberam destaque, como o assistente de voz personalizado e conectividade à nuvem.

Led de roda se tornou tendências para os entusiastas automotivo para terem um novo visual, utilizando o led de roda seu passeio fica mais legal e animado, as luzes coloridas atraem a atenção de muitos espectadores. Clique aqui e saiba mais

Continua após a publicidade
O novo Ford Edge ainda não tem data para chegar ao Brasil Divulgação/Ford

O manual do proprietário também será digital, e haverá vídeos e tutoriais que acessíveis direto na central multimídia, a fim de auxiliar os proprietários em problemas do cotidiano.

O SUV ‘moderninho’ também contará com o sistema de automação veicular Co-Pilot360, que, baseado em sensores internos e externos, traz funções consagradas, como alertas de mudança de faixa e pontos cegos. 

Há outras funções mais avançadas, como o cruise control capaz de alterar automaticamente a velocidade definida com base nas placas de sinalização e o curioso sistema que auxilia manobras em ré com reboques acoplados.

Nada de grandes mudanças externas para o Ford Edge Ford/Divulgação

Grandes mudanças no novo Edge ficarão restritas à central multimídia, já que pouco foi alterado em termos de design e mecânica.

Além de novas opções de rodas, há pequenas mudanças nas cores e estofados internos. O motor segue inalterado: 2.7 V6 EcoBoost, com 335 cv de potência e 54,45 kgfm de torque na versão ST — igual ao que equipa o Edge vendido no Brasil — e 2.0 EcoBoost com quatro cilindros em linha nas outras versões.

A Ford não estipulou preços para o novo Edge, tampouco prazos para sua chegada ao mercado brasileiro. Por aqui, o Edge ST custa hoje R$ 331.950.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here