(Acervo/Quatro Rodas)

Lançado em 2007, o Honda Civic Si entrou imediatamente para o rol dos melhores esportivos nacionais. Boa parte desse prestígio se deve aos seus atributos mecânicos, com especificações exclusivas de motor, câmbio, suspensão e freios, que garantem muito prazer ao volante.

Destaque para o motor K20 de 2 litros com duplo comando de válvulas, que resultam em 192 cv a 7.800 rpm e 19,2 mkgf a 6.100 rpm. Mas o sistema de variação de válvulas i-VTEC atinge 18 mkgf a apenas 2.500 rpm, favorecendo a dirigibilidade e o consumo de 8 km/l na cidade e 13,1 na estrada.

O câmbio de seis marchas e o peso/potência de apenas 6,8 kg/cv garantem o 0 a 100 km/h em 7,9 s e a máxima declarada de 232 km/h. Mas esqueça os números: bom mesmo é sentir o coice do i-VTEC pouco antes dos 6.000 rpm e o ronco acima dos 8.000 rpm.

A estabilidade é favorecida pelo diferencial autoblocante, e o comportamento dinâmico é neutro com tendência ao sobresterço, com intrusão mínima do controle de estabilidade e tração, que pode ser desligado. Os freios são muito eficientes e a suspensão firme não sacrifica o conforto.

Sua decoração externa exibe uma agressividade discreta, com pintura vermelha, preta ou prata. O aerofólio traseiro está sempre presente, bem como as exclusivas rodas de 17 polegadas com pneus 215/45, a ponteira de escape cromada e a elegante inscrição “i-VTEC” nas laterais.

O interior segue o mesmo padrão, com bancos esportivos revestidos de tecido preto, pedais de alumínio, volante multifuncional de couro, painel de instrumentos com iluminação vermelha e shift-light ao lado do velocímetro, para indicar o melhor momento para a troca das marchas.

 (Acervo/Quatro Rodas)

Mas nem tudo são flores: pela idade do projeto, pode esquecer a conectividade, pois nunca houve oferta de central multimídia. Outro defeito grave da oitava geração é o espaço do porta-malas, limitado a irrisórios 340 litros (insuficiente para uma família com dois filhos).

O mercado costuma valorizar mais os modelos 2009 em diante, já com o leve retoque de estilo na dianteira e oferta de airbags laterais. Mas o mais importante é a procedência: trata-se de um esportivo que deixou de ser feito há quase dez anos.

Não é fácil encontrar um Si abaixo dos 100.000 km. A enorme tolerância do modelo ajuda a suportar abusos nas ruas, estradas e autódromos, mas é preciso critério na avaliação antes de fechar negócio.

“Além de ter peças caras, o motor K20 exige cuidados específicos: uma retífica de cabeçote bem feita não sai por menos de R$ 7.000 entre peças, fluidos e mão de obra. Uma retífica completa pode facilmente chegar aos R$ 20.000”, explica o preparador Diogo Oliveira, especialista em Honda.

Onde o bicho pega

Motor: Só funciona corretamente se o óleo estiver dentro dos padrões estipulados pela Honda. O velho truque do lubrificante de viscosidade maior para disfarçar as folgas internas não funciona nos motores K20.

Cabeçote: O acionamento das válvulas por tuchos sólidos exige verificação das folgas a cada 40.000 km: o ajuste correto tem influência direta no desempenho. Gasolina de má qualidade compromete a vedação das válvulas em razão da carbonização.

 (Acervo/Quatro Rodas)

Câmbio: Pode apresentar arranhadas em trocas mais rápidas, o que costuma ser solucionado com a troca do atuador da embreagem. Em casos extremos, é preciso trocar o conjunto de anéis sincronizadores, que custa R$ 3.000, sem mão de obra.

Coxins: Vibração excessiva e trancos na partida do motor indicam que os coxins do motor chegaram ao fim de sua vida útil. O conjunto na autorizada não sai por menos de R$ 4.600 (sem mão de obra).

Direção: Há um problema crônico no embuchamento da caixa de direção, facilmente detectado em ruas com pavimentação irregular. A solução exige a troca da caixa (R$ 8.436, sem mão de obra) ou recondicionamento com buchas de bronze.

Rodas e pneus: Verifique se há sinais de maus-tratos. E não se esqueça de providenciar um jogo de pneus de boa qualidade, que começa em R$ 2.500.

A voz do dono

Nome: Giovani Marsaro;
Idade: 25 anos;
Profissão: auxiliar administrativo;
Cidade: São José do Rio Preto (SP).

O que eu adoro: “É um tanque de guerra de tão robusto: a alta quilometragem não assusta se o histórico de manutenção for bom. Direção rápida, comandos precisos e disposição para altas rotações fazem dele um automóvel singular.”

O que eu odeio: “O valor das peças de reposição é elevado, principalmente o que não é compartilhado com o Civic comum. E a condução arisca exige cuidados mesmo com a atuação do controle de estabilidade.”

Preço médios dos usados (Tabela KBB Brasil)

Modelo 2007 2008 2009 2010 2011
Civic SI R$ 41.449 R$ 43.228 R$ 47.860 R$ 51.679 R$ 55.615

* Valores em reais calculados pela kbb brasil para A compra pelo particular

Preço das peças

Peças Original Paralelo
Para-choque dianteiro R$ 1.330 R$ 500
Farol completo (cada um) R$ 1.573 R$ 604
Disco de freio (par dianteiro) R$ 1.487 R$ 490
Pastilhas de freio (par dianteiro) R$ 640 R$ 430
Amortecedores (os quatro) R$ 2.464 R$ 1.890
Kit de embreagem R$ 2.978 R$ 1.900

Nós dissemos

 (Acervo/Quatro Rodas)

Dezembro de 2006:  “O pedal de alumínio da embreagem é uma arma engatilhada, levanto um pouco o pé e o carro dispara. As costas afundam no banco de camurça preta com costura vermelha, numa puxada crescente. A transmissão é curta como num carro 1.6, mas a hora de trocar de marcha não chega: 5.000 giros, 6.000, 7.000… O ponteiro sobe a alturas raramente alcançadas num motor de série.”

Pense também em um…

 (Acervo/Quatro Rodas)

Golf GTI: O rival do Civic Si sempre agradou pela dirigibilidade mais civilizada, garantida pela suspensão mais suave, direção precisa e pelos engates do câmbio com relações espaçadas para aproveitar o alto torque do motor 1.8 turbo.

A reestilização de 2008 fez a potência saltar de 180 cv para 193 cv. Seu perfil mais tranquilo é evidenciado pela oferta do câmbio automático sequencial Tiptronic.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here