O nacional A3 Sedan manteve este visual até

O nacional A3 Sedan manteve este visual até (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Parte do sucesso da Audi no país deve-se ao A3, ideal para quem gosta de sedãs e não precisa do farto espaço interno oferecido pelas versões mais caras de rivais japoneses.

O entre-eixos de 2,63 m oferece espaço apenas razoável para quatro adultos (e mais uma criança, no máximo) e o porta-malas de 425 litros só serve a solteiros ou casais sem filhos.

Produzido em São José dos Pinhais (PR) desde 2016, o A3 Sedan nacional é o mais valorizado.

O mais procurado é o 1.4 TFSI flex (150 cv), sempre acoplado ao bom câmbio automático sequencial Tiptronic de seis marchas, conjunto bom o bastante para ir de 0 a 100 km/h em 9,4 s e atingir 215 km/h.

A versão básica Attraction traz faróis bixenônio autonivelantes com limpadores, sensor de ré, start-stop, computador de bordo, Bluetooth e freio de estacionamento elétrico.

A Ambiente acresce sensores de farol e de chuva, roda aro 17 e volante multifuncional com borboletas para troca de marcha. Vale pechinchar no modelo 2016, que traz o mesmo visual do A3 Sedan importado desde 2014.

Reestilizada, a linha 2017 ganhou novos faróis do A4, volante multifuncional de três raios de couro e itens aguardados como duas entradas USB e central de 7 polegadas compatível com Android Auto e Apple CarPlay.

O motor 2.0 TFSI (220 cv) veio em 2016 na Ambition, notória pelo câmbio S-Tronic de seis marchas e dupla embreagem (DQ250) e suspensão traseira multilink.

Vai de 0 a 100 km/h em 6,8 s e chega a 250 km/h. E o consumo ainda é ótimo: 10,5 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada contra 11,7 e 16,4 do 1.4 TFSI flex.

A Ambition traz ar bizona, teto solar, Drive Select (seleção dos modos de condução), bixenônio com led, piloto automático, couro, banco do motorista elétrico, ESP, airbags laterais, de cortina e de joelho e chave presencial.

O pacote Assistance Plus é valorizado por incluir sensor de estacionamento dianteiro, câmera de ré, monitor de troca de faixa e sistemas Pre Sense e Park Assist.

Na linha 2019, as versões foram atualizadas: Attraction virou Prestige, Ambiente agora é Prestige Plus e a Ambition tornou-se Performance.

Foi um A3 Ambiente que superou facilmente os 60.000 km com o menor índice de carbonização no motor em toda a história do teste de Longa Duração. Câmbio, suspensão e freios seguiram o mesmo padrão.

E cuidado com o A3 importado de 2014 a 2016: ele usa o barulhento câmbio DQ200 de sete marchas e dupla embreagem a seco, afetado por problemas crônicos.

As versões 1.4 TFSI têm o mérito de vir com a mesma suspensão multilink da versão Ambition, mas rendem apenas 122 cv com gasolina (não são flex)

Onde o bicho pega

 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Cabeçote – Motores com injeção direta costumam apresentar carbonização nas válvulas de admissão, causada pelo alto teor de enxofre da gasolina brasileira. Ruídos metálicos na partida a frio indicam problemas com o tensionador da corrente que aciona os comandos de válvulas.

DSG 7 marchas – O câmbio DQ200 equipa os A3 importados (1.4 e 1.8) e pode sofrer com ruídos, perda de potência, retenção de marchas e trepidação causados pelo desgaste das embreagens ou defeito na unidade mecatrônica. O reparo varia de R$ 8.000 a R$ 25.000 (troca completa).

DSG 6 marchas – O câmbio DQ250 equipa o A3 2.0 e, por ser banhado a óleo, sofre menos problemas que o DQ200 desde que a troca do óleo seja feita a cada 60.000 km. O procedimento custa menos de R$ 2.000.

Adulteração na ECU – O remapeamento da central eletrônica do 1.4 TFSI e 2.0 TFSI elevam a pressão do turbo e aumentam torque, potência e dores de cabeça. Não vale a pena, especialmente quando o motor trabalha em conjunto com o câmbio DQ200.

Recalls – Foram três: bomba de combustível (modelo 2014, motores 1.4 e 1.8), airbag dianteiro do passageiro (um único exemplar modelo 2015) e elementos de fixação dos terminais da barra de direção (modelo 2016 com motor 2.0). Consulte o site do fabricante para mais informações.

A voz do dono

Nome: Caetano Manfrini
Idade: 34 anos
Profissão: advogado
Cidade: Indaiatuba (SP)

O que eu adoro? “Seu conjunto mecânico é maravilhoso. O motor 1.4 TFSI garante bom desempenho e baixo consumo. E a dirigibilidade é favorecida por uma suspensão estável sem abrir mão do conforto.”

Led de roda se tornou tendências para os entusiastas automotivo para terem um novo visual, utilizando o led de roda seu passeio fica mais legal e animado, as luzes coloridas atraem a atenção de muitos espectadores. Clique aqui e saiba mais

O que eu odeio? “O pós-venda é extorsivo: o pacote de revisões e manutenção é quase digno de um Audi A8. O nível de equipamentos também não é dos melhores: não há câmera de ré nem controle de cruzeiro.”

Porta-malas de 425 litros e espaço discreto fazem dele opção para casais sem filho

Porta-malas de 425 litros e espaço discreto fazem dele opção para casais sem filho (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Preço médio dos usados (Tabela KBB Brasil)

Modelo 2014 2015 2016 2017 2018
1.4 TFSI S Tronic R$ 65.135 R$ 70.769
1.4 TFSI S Tronic Attraction R$ 65.925 R$ 72.696 R$ 75.599
1.8 TFSI S Tronic R$ 74.322 R$ 80.823
1.8 TFSI S Tronic Ambition R$ 78.991 R$ 93.907 R$ 94.554
1.4 TFSI S Tronic Ambiente R$ 74.754
1.4 TFSI Tiptronic Ambiente Flex R$ 71.793 R$ 84.240 R$ 117.126
1.4 TFSI Tiptronic Attraction Flex R$ 75.193 R$ 82.687 R$ 109.461
2.0 TFSI S Tronic Ambition R$ 103.174 R$112.116 R$ 150.291

Preço das peças

Peças Original Paralelo
Para-choque dianteiro R$ 4.788 R$ 3.200
Farol completo (cada um) R$ 4.856 R$ 2.300
Disco de freio (par dianteiro) R$ 2.200 R$ 1.150
Pastilhas de freio (par dianteiro) R$ 1.388 R$ 270
Amortecedores (os quatro) R$ 4.406 R$ 1.800

 

Nós dissemos

 (Acervo/Quatro Rodas)

Maio de 2014:  “Por fora, o sedã não dá pinta de básico. O Audi de entrada tem faróis bixenônio, lanternas de led e rodas de liga.

Por dentro, mantém a pose no estilo e no acabamento, no que se refere à qualidade dos materiais e da confecção das peças.

A escassez de detalhes de materiais nobres como alumínio, madeira ou fibra de carbono (…) é o primeiro sinal de despojamento. O segundo é o banco de tecido.

Pense também em um…

 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

VW Jetta

O primo pobre é melhor em espaço interno, porta-malas e nível de equipamentos – e a versão Trendline usa o mesmo motor 1.4 turbo do A3 Sedan.

Tem opção de câmbio manual ou automático e traz sensores de estacionamento dianteiros e traseiros e central multimídia com espelhamento de celular. A versão Highline é a preferida graças ao 2.0 Turbo de 200 cv (211 cv em 2014).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here