Quarta geração começou a ser vendida no Brasil no início de 2016

Quarta geração começou a ser vendida no Brasil no início de 2016 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Ícone mundial de eficiência, o Toyota Prius  deu origem à família de híbridos que soma mais de 6 milhões de unidades produzidas, com 93% de donos satisfeitos.

Importada oficialmente pela Toyota, a terceira geração foi exibida no Salão do Automóvel de 2012 e começou a carreira integrando frotas de táxis nas grandes capitais.

Seu maior atrativo foi o trem de força formado pelo 1.8 a gasolina trabalhando em conjunto com um motor elétrico.

O quatro cilindros de 16 válvulas e comandos variáveis gera 99 cv e a aerodinâmica apurada também ajuda o Prius a superar os 20 km/l de gasolina, na cidade ou estrada.

A potência combinada é de cerca de 135 cv, transmitida ao eixo dianteiro por um câmbio CVT. A maior diferença para um carro convencional é na cidade, onde o motor elétrico costuma atuar sozinho enquanto houver carga.

Não precisa plugar o Prius na tomada: a bateria é recarregada pelo próprio motor a gasolina, em situações de freio motor e pela função regenerativa dos freios. Também é possível rodar só com o motor elétrico, no EV Mode.

Com 2,70 metros entre os eixos, há espaço para cinco adultos e um porta-malas de 445 litros.

A versão única trazia sete airbags, partida sem chave, piloto automático, ar digital, couro, som JBL, central multimídia com câmera de ré e head up display.

Aerodinâmica melhorou em 10% na última mudança

Aerodinâmica melhorou em 10% na última mudança (Marco de Bari/Quatro Rodas)

A redução no imposto de importação para híbridos fez o preço do Prius reduzir consideravelmente na linha 2015, o que colaborou para a forte queda dos seminovos.

Hoje já é possível encontrar exemplares da terceira geração por valores bem abaixo da tabela: verifique apenas se o Prius oferecido não integra o primeiro lote duramente castigado como táxi.

Em 2016, maior e mais baixo e com design polêmico, a quarta geração ganhou plataforma global TNGA e potência combinada maior (123 cv). Virou sucesso de vendas no segmento.

O porta-malas caiu para 412 litros, mas a maior rigidez do monobloco e a suspensão independente atrás melhoraram o conforto sem prejudicar o comportamento dinâmico.

Mais caro que o Corolla, ele agrada no conteúdo: ESP, ar bizona, faróis e luzes diurnas de led, sensor de chuva, bancos aquecidos e carregador de celular sem fio.

A desconfiança dos interessados é a durabilidade da bateria e do motor elétrico, mas todas as unidades ainda estão cobertas pela garantia de oito anos para o conjunto.

Além do custo de manutenção similar ao do Corolla, pode haver incentivos fiscais: a cidade de São Paulo isenta o Prius do rodízio e reduz o IPVA em 50%.

Onde o bicho pega

 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

TRANSMISSÃO CVT O fluido do câmbio deve ser inspecionado a cada 48.000 km e substituído obrigatoriamente aos 190.000 km sob condições ideais de uso, mas a troca é altamente recomendada depois da compra de um modelo usado.

Cabeçote 1  Embora não seja recorrente, há relatos de consumo excessivo de óleo no motor 2ZR-FXE, problema que leva à carbonização das válvulas e a danos ao catalisador. Na dúvida, peça que um profissional verifique o estado das velas de ignição e a compressão dos cilindros.

Cabeçote 2  A troca de óleo fora dos intervalos recomendados compromete a vida útil da corrente responsável pelo acionamento dos comandos de válvulas. Ruídos anormais podem indicar desgaste em outros componentes como tensionador, engrenagens e outros componentes.

Suspensão  Por ser robusta, ela é quase sempre negligenciada: amortecedores vazando e coifas rasgadas são indícios de problemas à vista. A quarta geração pede atenção pelo maior número de componentes na suspensão traseira.

Quer se tornar um mecânico de sucesso? Clique aqui !

Recalls Um é de 397 unidades fabricadas de julho de 2012 a junho de 2013 por falha no módulo do inversor do sistema híbrido. O outro é para 5.547 carros produzidos de 2015 a 2018, cujo atrito no chicote elétrico pode levar a curto-circuito e até incêndio.

A voz do dono

Nome: Marcus Manfrini
Idade: 59 anos
Profissão: engenheiro mecânico
Cidade: Indaiatuba (SP)

O que eu adoro

“Estou no segundo Prius: além da economia de combustível e do silêncio, é ótimo saber que colaboro com a qualidade do ar. Todos os itens são de excelente qualidade, o que gera um baixo custo de manutenção.”

O que eu odeio

“Faltam porta–objetos e itens compatíveis com o preço, como teto solar, freio de estacionamento eletrônico e fechamento automático de portas e vidros. Também faz falta a versão plug-in.”

Preço médio dos usados (tabela Fipe)

Modelo 2013 2015 2016 2017 2018
Prius R$ 63.808 R$ 83.784 R$ 103.232 R$ 107.451 R$ 110.965

Preço das peças

Peças Original Paralelo
Para-choque (dianteiro) R$ 880 R$ 800
Farol completo (cada um) R$ 4.999 R$ 2.100
Discos de freio (par dianteiro) R$ 832 R$ 490
Pastilhas de freio (par dianteiro) R$ 285 R$ 280
Amortecedores (os quatro) R$ 1.814  –
Kit de embreagem R$ 651 R$ 500

O que nós dissemos

dezembro de 2015  “A cabine ficou mais espaçosa devido ao aumento da largura interna em 1,5 cm, do avanço da coluna dianteira e do deslocamento das baterias para debaixo dos assentos. (…) O novo Prius melhorou 60% em rigidez torcional. (…) A nova arquitetura incluiu uma nova suspensão independente, do tipo duplo A, na traseira.”

Pense também em um…

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Ford Fusion Hybrid  Une a eficiência do Prius a um estilo mais sóbrio. O consumo de 19,2 km/l na cidade e 16,8 na rodovia é mérito do conjunto híbrido com potência combinada de 190 cv que o leva até 100 km/h em 10,2s. Oferece maior espaço e itens exclusivos como bancos elétricos e oito airbags, mas o porta-malas cai para 392 litros (são 412 do Prius).