Erros e acertos da concessionária marcam o atendimento durante a revisão dos 10.000 km

Primeira revisão foi boa, mas erraram ao dispensar o rodízio

Primeira revisão foi boa, mas erraram ao dispensar o rodízio (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Quando um carro passa pelo teste de Longa Duração, tem início uma múltipla avaliação. Buscamos oferecer sempre uma análise de sistemas isolados e também do veículo como um todo. Outro ponto considerado é a vida ao volante: se anda bem, se é beberrão, ruidoso.

Por fim, analisamos o pós-venda, já que, a cada parada para revisão, a gente conta tudo, da facilidade do agendamento à avaliação dos serviços prestados. Aos 10.000 km, chegou a hora da primeira visita à rede Caoa Chery.

O piloto de testes Eduardo Campilongo conta que todo o processo junto à concessionária Wei Motors foi bastante tranquilo e quase sem erros. “Não tive nenhuma dificuldade para agendar a revisão na data pretendida, o que tem sido cada vez mais raro, principalmente entre as autorizadas de São Paulo, por conta da alta demanda”, diz Edu.

Como a revisão incluía apenas troca de lubrificante do motor e filtros de óleo e combustível, o carro foi liberado no mesmo dia em que encostou. Com o consultor da Wei Motors, deixamos dois pedidos: realização de alinhamento, balanceamento e rodízio e uma verificação do câmbio que, por três vezes, ao dobrar uma esquina e iniciar a subida de uma ladeira íngrime, insistiu em manter a segunda marcha engatada.

Em uma das vezes, tal situação ocorreu com o editor de arte Fabio Black: “Ao realizar a manobra, a rotação elevou demais, enquanto o carro praticamente parou, por falta de força. Só quando aliviei o pé e o giro caiu, é que o câmbio engatou a primeira e o Tiggo subiu a rua”.

Na devolução do carro, o consultor da Wei disse: “Fizemos uma atualização do software do câmbio. Espero que o problema não volte a acontecer. Quanto ao alinhamento, balanceamento e rodízio, não fiz porque todas as medidas estavam dentro dos parâmetros e o nível do desgaste dos pneus estava equilibrado”. Pela revisão, pagamos o valor sugerido no site da Caoa Chery: R$ 397.

Em nossa checagem pós-revisão, no entanto, descobrimos que o rodízio deveria, sim, ter sido feito. “Com o auxílio de um profundímetro digital de precisão centesimal, medimos os pneus quando novos e após cada revisão em 12 pontos diferentes da banda de rodagem.

Ao medir os do Tiggo, vimos que os dianteiros, conforme esperado, estavam mais gastos do que os traseiros”, explica o editor de Longa Duração, Péricles Malheiros.

Vamos rodar por alguns dias para ver se o câmbio, de fato, voltou ao normal. De qualquer maneira, retornaremos à Wei para insistir no alinhamento, balanceamento e rodízio.

Chery Tiggo – 11.519 km

Consumo
No mês: 8,3 km/l com 24,1% de rodagem na cidade
Desde jul/19: 8,7 km/l com 22,1% de rodagem na cidade
Combustível: (flex) gasolina

Gastos no mês
Combustível: R$ 2.364
Revisão: R$ 397

Revisões
Até 60.000 km: R$ 3.391

Ficha Técnica
Versão: TXS 1.5 16V Turbo
Motor: 4 cilindros, dianteiro, transversal, 1.496 cm3, 16V, 150/147 cv a 5.500 rpm, 21,4/21,4 mkgf a 1.750/1.750 rpm
Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira

Seguro
R$ 2.844

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here