Pacote com teto de fibra de carbono é opcional

Pacote com teto de fibra de carbono é opcional (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Era uma manhã nublada de sexta-feira, mais convidativa a se ficar na cama do que qualquer outra coisa.

Mas o alarme do celular gritava e era necessário acordar, porque a missão do dia seria muito, muito especial: ser o primeiro jornalista a acelerar em solo brasileiro o McLaren 600LT.

Estamos falando de uma derivação (ainda mais) envenenada do 570S e com produção limitada, que terá apenas quatro unidades destinadas ao nosso mercado. Preço? R$ 2,7 milhões.

Definitivamente, um brinquedo que poucos felizardos poderão comprar.

Porta tipo tesoura abre suave com auxílio elétrico

Porta tipo tesoura abre suave com auxílio elétrico (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Durante todo o trajeto até o autódromo da Capuava, em Indaiatuba (SP), as nuvens insistiam em dominar o céu, e a previsão para o dia era de chuva.

Na cabeça, um único pensamento: alô, São Pedro, tudo bem? Sei que nunca conversamos antes, mas você poderia ser legal comigo hoje e segurar o aguaceiro pelo menos por algumas horas?

Chegamos à pista, eu e o fotógrafo Christian Castanho. E lá estava ele, o 600LT, parado na reta principal com as portas estilo tesoura abertas.

Nem mesmo a pintura cinza, que deixava mais discretos seus traços em meio ao dia plúmbeo, tirava do superesportivo o ar imponente.

Faróis e lanternas trazem assinatura em bumerangue

Faróis e lanternas trazem assinatura em bumerangue (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ligaram, então, o motor e aos ouvidos chegou o ronco alto e grave do V8 biturbo de 3,8 litros, cujo bloco remonta à família Nissan VRH (usada em corridas). Bateu aquele frio na barriga.

No 600LT, saídas de escape ficam acima do motor

No 600LT, saídas de escape ficam acima do motor (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Embora permita emplacamento, o 600LT é um carro feito de fato para o circuito fechado.

A carroceria utiliza muitas partes de fibra de carbono, incluindo opcionalmente um pacote preparado pela McLaren Special Operations, divisão de desempenho do fabricante, que inclui o composto em substituição ao alumínio no teto, arcos da capota e para-choques.

Conhecendo a máquina

Tudo nesta configuração é voltado à redução de peso e ao ganho aerodinâmico: os recortes do para-choque frontal, as tomadas de ar laterais, posicionadas em meio às portas para refrigerar os radiadores do motor, o voluptuoso difusor traseiro…

Também chamam a atenção as duas saídas de escape posicionadas acima do propulsor, emitindo gases por cima do aerofólio traseiro para ajudá-lo a estolar nas retas.

A cabine é quase a de um carro de corrida, pois traz mais elementos de fibra de carbono, incluindo painéis, além de revestimentos de Alcantara para guarnições, bancos e volante.

Cabine é simples como um carro de pista deve ser

Cabine é simples como um carro de pista deve ser (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Por falar em bancos, estes são do tipo concha e vêm emprestados do primo maior P1, sendo feitos de… fibra de carbono, de novo. Opcionalmente o comprador pode incluir os assentos do McLaren Senna, ainda mais leves.

Também é opcional a presença ou não de ar-condicionado, caso a intenção seja aliviar ainda mais o peso.

Na configuração mais leve possível, o 600LT pesa 1.247 kg, ou seja, 96 kg a menos do que seu irmão 570S Coupé.

Isso mesmo sendo 7,4 cm mais comprido, devido ao balanço traseiro estendido – daí a nomenclatura LT, de Longtail (cauda longa, na tradução do inglês).

Quadro de instrumentos 100% digital apresenta o conta-giros em modo convencional ou “pista”

Quadro de instrumentos 100% digital apresenta o conta-giros em modo convencional ou “pista” (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Quer se tornar um mecânico de sucesso? Clique aqui !

Ao mesmo tempo, utiliza uma especificação 30 cv mais potente do V8 biturbo, alcançando 600 cv de potência a 7.500 rpm e 63,2 mkgf de torque (entre 5.500 e 6.500 rpm).

O sistema de transmissão é similar ao de um Fórmula 1, com tração traseira e câmbio do tipo SSG (embreagens de discos múltiplos), com sete marchas e cárter seco.

As suspensões, de braços duplos triangulares com amortecedores adaptativos nos dois eixos, utilizam braços de alumínio forjado e triângulos herdados do primo maior 720S.

A construção só não é mais primorosa porque os encaixes de alguns elementos possuem incorreções milimétricas, que você não enxergará numa Ferrari. Vale lembrar que o 600LT é produzido quase artesanalmente em Woking, Reino Unido.

Comandos são todos muito diretos e intuitivos para que o piloto se distraia o mínimo possível

Comandos são todos muito diretos e intuitivos para que o piloto se distraia o mínimo possível (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Seja no painel ou no console central, os comandos são todos muito diretos e intuitivos: tudo para que o piloto se distraia o mínimo possível em relação ao que acontece à sua frente (provavelmente a altas velocidades).

Central ultrapassada

Atrás do volante há só duas suntuosas aletas para trocas sequenciais das marchas, ao estilo carro de rali, além de chaves para ligar faróis e limpadores de para-brisa.

Seletores giratórios controlam modos de rigidez da suspensão, câmbio e atuação das assistências eletrônicas – controles de tração, estabilidade e largada.

A central multimídia parece ultrapassada perto das oferecidas hoje em qualquer carro de entrada, mas vale pelo sistema de telemetria, que permite cronometrar tempos e conferir a força g resultante do contorno mais forte de uma curva.

Pneus têm dimensões específicas para o LT

Pneus têm dimensões específicas para o LT (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Chega de só observar. É hora de engrenar a primeira marcha e ir para a pista.

A chuva ainda não chegara, e aí pude viver uma experiência que está acima do que qualquer carro comum consegue proporcionar, mesmo em versões M (BMW), AMG (Mercedes) e RS (Audi).

A rapidez de resposta da direção, a rigidez do chassi, a aderência dos Pirelli P Zero Trofeo R semi-slicks (225×35 R19 à frente e 285×35 R20 atrás), a sensibilidade dos gigantescos freios carbono-cerâmicos microperfurados…

Som premium é opcional. Bancos vêm do P1

Som premium é opcional. Bancos vêm do P1 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Aos poucos, a máquina dá confiança para arriscar uma curva mais forte, acima de 150 km/h, e alcançar 220 no fim da curta reta principal. E olha que eu ainda estava bem longe da máxima de 328 km/h.

O único pecado (além da proibição da McLaren de fazer medições na pista) é não oferecer cinto de cinco pontos. O de três pouco faz para segurar o motorista em meio a tanta velocidade.

Termina a experiência. Dez minutos depois, começa a chover. O trânsito para voltar a São Paulo será terrível, mas tudo bem. São Pedro foi generoso comigo quando mais precisei.

Veredicto

Um supercarro voltado para quem gosta de se divertir na pista, e nada mais. Esqueça conforto ou requinte. Claro que um brinquedo desses chamará a atenção por onde passar, mas o lema aqui é pagar R$ 2,7 milhões, sentar e acelerar.

Ficha técnica

McLaren 600LT – R$ 2.700.000

  • Motor: gas., tras., long., 8 cil. em V, 3.799 cm3; 32V, biturbo, DOHC, VVT, 93 x 69,9 mm, 8,7:1, 600 cv a 7.500 rpm, 63,2 mkgf entre 5.500 e 6.500 rpm
  • Câmbio: automatizado, multiembr., 7 marchas, tração traseira
  • Suspensão: duplo-A (dianteira e traseira)
  • Freios: disco vent. e perf. (dianteira e traseira)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 225/35 R19 (dianteira) e 285/35 R20 (traseira)
  • Dimensões: comprimento, 460,4 cm; largura, 209,5 cm; altura, 119,1 cm; entre-eixos, 267 cm; peso, 1.247 kg; tanque, 72 l; porta-malas, 150 l (diant.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here