Mercedes-AMG GT Black Series tem moto V8 com 730 cv de potência Divulgação/Mercedes-Benz

Se Mercedes-Benz já é sinônimo de exclusividade e distinção, então o que dizer de um modelo da marca preparado pela divisão esportiva AMG, que além do nome GT ainda recebe o selo Black Series? 

Pois esse é o caso do Mercedes-AMG GT Black Series que a marca lança no quarto trimestre, na Europa, ao preço de 250.000 euros (cerca de R$ 1.535.000) – ainda sem perspectiva de ser vendido no Brasil.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

A diferença desse modelo para um Mercedes-AMG GT digamos, comum, começa no visual transformado graças a troca de diversos componentes.

Continua após a publicidade
Segundo a fábrica, o carro acelera de 0 a 100 km/h em 32, segundos Divulgação/Mercedes-Benz

A grade dianteira cresceu e ganhou barras verticais em cromado negro e, na parte inferior do para-choque, foi instalado um spoiler dianteiro manualmente ajustável (para utilização em pista) e um difusor frontal preto. 

O capô também é novo: tem duas grandes entradas de ar e partes visíveis da estrutura em fibra de carbono, mesmo material empregado no teto do carro, nas soleiras das portas e no aerofólio traseiro, que pode ser ativado eletricamente por meio de um botão. As rodas AMG são de liga-leve. E a pintura da carroceria vem na cor exclsiva Magmabeam.

Apêndices aerodinâmico não só embelezam o carro: são funcionais nas pistas de corrida Divulgação/Mercedes-Benz

O visual interno também impressiona. O revestimento é em couro preto com costuras na cor laranja. No quadro de instrumentos digital de 12,3” há mostradores com uma apresentação que varia segundo três contextos: Classic, Sporty e Supersport. 

Neste último caso é mostrado um conta-giros central com informação adicional exclusiva, como a luz que indica o momento adequado para fazer as trocas de marchas. 

Continua após a publicidade

Ao centro está a central multimídia de 10,25”, onde podem ser igualmente vistas animações dos sistemas de assistência à condução e dos sistemas de comunicação e de funcionamento geral do carro.

Na cabine, o painel herda apenas alguns componentes do GT de linha Divulgação/Mercedes-Benz

Há novos botões coloridos no console central em forma de V que podem ser usados para ajustar transmissão, suspensão, ESP, sistema de escape, aba traseira do aerofólio, entre outros. 

Led de roda se tornou tendências para os entusiastas automotivo para terem um novo visual, utilizando o led de roda seu passeio fica mais legal e animado, as luzes coloridas atraem a atenção de muitos espectadores. Clique aqui e saiba mais

Os botões da tela touch TFT são fáceis de operar com um pequeno toque no dedo e pelo fato de disporem de um ponto de pressão mecânico funcionam mesmo quando o motorista/piloto está de luvas de competição. 

O volante AMG Performance tem base reta, revestimento em microfibra, comando de trocas de marchas (sistema de dupla embreagem e 7 marchas) e botões integrados para controlar a instrumentação sem que seja necessário retirar as mãos do volante.

Continua após a publicidade

Para quem julgar que isso é pouco, o AMG Track Package, disponível como opcional, dispõe de sistema de proteção (santoantonio com tubos em titânio e travessas de reforço no interior) em caso de capotamento, cintos de segurança de 4 pontos para condutor e passageiro e extintor de incêndio de 2 kg.

Pelos números oficiais, este AMG GT faz 7,8 km/l de consumo, em ciclo misto Divulgação/Mercedes-Benz

Como em qualquer superesportivo que se preze, é o motor que torna este carro ainda mais especial. O V8 4 litros biturbo parte da base da unidade que a AMG já utilizava mas foi alvo de várias modificações, o que levou a que recebesse uma designação própria (M178 LS2).

Alcança 730 cv (entre as 6.700 e as 6.900 rpm) e um pico de 80 kgfm de torque (de 2.000 a 6.000 rpm). Conta com um sistema de lubrificação por cárter seco, em que o cárter não funciona como reservatório de óleo, estando antes armazenado num reservatório próprio separado do motor, existindo depois bombas que o fazem circular e que o levam a todos os pontos necessários, independentemente das forças a que o conjunto esteja sujeito.

O motor passou a ter, também, o lado do escape virado para a zona interior do V composto pelas duas bancadas de cilindros (é o primeiro V8 da Mercedes-Benz com esta configuração), o que se reflete em melhores performances e uma resposta de acelerador mais ágil.

Continua após a publicidade

A roda de compressor aumentada (que permite fornecer um volume de ar superior, de 1.100 kg/h, versus 900 kg/h na versão deste motor montada no AMG GT-R) e os intercoolers maiores também dão um ajuda para o upgrade que foi feito neste motor.

Que depois se traduz, por exemplo, numa aceleração de 0 a 100 km/h em 3,2 s (3,6 no GT R) e até 200 km/h em menos de 9 segundos, além de uma velocidade máxima de 325 km/h (318 no GT R). 

 

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here