O novo Toyota Corolla começará a ser produzido no Brasil, mais precisamente em Indaiatuba (SP), no final deste ano.

O que ainda segue um mistério é qual será o visual do modelo, já que a fabricante japonesa apresentou diversas variantes de faróis e grade dianteira.

Em conversa com a Quatro Rodas durante o Salão de Detroit 2019, o presidente-executivo da montadora para América Latina e Caribe, Steve St. Angelo, apontou que o novo Corolla brasileiro continuará a ser baseado no homônimo produzido na Europa, tal qual acontece com a atual geração.

Deste modo, nosso sedã pouco terá a ver com as vertentes americanas – nem a convencional nem a híbrida, que está sendo exibida no Cobo Center, em Detroit.

“Este Corolla aqui [americano] tem uma proposta mais esportiva. Já o europeu possui uma uma proposta mais voltada a luxo e prestígio, e é essa linha que a próxima geração do brasileiro vai seguir”, comentou.

Como serão, então, os futuros traços de nosso sedã médio mais vendido? Impossível ter certeza, pois o novo Corolla Sedan europeu só deve ser oficialmente apresentado ao público no Salão de Genebra, em março.

Para prever o que vem por aí temos que olhar para outras duas derivações da família Corolla: o hatchback Auris, exibido pela primeira vez em Genebra-2018, e a perua Corolla Touring Sports, desvelada em Paris-2018. Ambos são produtos voltados ao Velho Continente e ostentam uma frente mais classuda e, por que não dizer, conservadora.

Fica fácil entender por que a Toyota do Brasil seguirá esses passos: eles certamente serão mais tranquilamente digeridos pelo público-alvo do modelo em nosso país.

Isso não significa que Steve St. Angelo não queira lançar uma versão brasileira derivada diretamente do Corolla americano, com apelo mais esportivo. “Eu queria fazer isso já com a geração atual, mas eram tantas as adaptações que acabou não valendo a pena. Agora que [o Corolla] usará a plataforma TNGA deve ficar mais fácil. Quem sabe…”, disse, com ar de certo mistério.

Venha como vier, o próximo Corolla trará consigo duas novas tecnologias de propulsão.

A primeira é um novo motor 2.0 naturalmente aspirado de quatro cilindros, flex, com injeção direta e 40% de eficiência térmica, gerenciado por câmbio CVT auxiliado por um sistema chamado “engrenagem de partida”, uma espécie de embreagem que torna as arrancadas mais céleres e eficientes.

Quer se tornar um mecânico de sucesso? Clique aqui !

Já a segunda novidade é o tão aguardado sistema híbrido flex, criado a partir da unidade de 1,8 litro de ciclo Atkinson do Prius, sem recarga externa e com lançamento já confirmado para o Brasil no fim deste ano.

Confira a galeria de fotos abaixo:

Página 1 de 6
CONTINUAR