Versão esportiva agora tem motor V6 biturbo de 380 cv

Versão esportiva agora tem motor V6 biturbo de 380 cv (Divulgação/Porsche)

O novo Porsche Macan GTS já está à venda no Brasil. O SUV compacto foi apresentado esta semana em Portugal mas já pode ser encomendado nas concessionárias brasileiras.

Segundo a empresa, as primeiras unidades pedidas devem desembarcar em no país em, no máximo, três meses. A Porsche já anunciou até o preço inicial do carro: R$ 495.000.

Macan GTS tem novo kit aerodinâmico na linha 2020

Macan GTS tem novo kit aerodinâmico na linha 2020 (Divulgação/Porsche)

O novo Macan GTS ainda é um exemplar da primeira geração lançada em 2014, mas com diversas mudanças para a linha 2020.

 (Divulgação/Porsche)

Começando pelo visual, externamente, o SUV ganhou novo kit aerodinâmico (tomadas de ar dianteiras, saias laterais e aerofólio traseiro) e rodas (aro 20) na cor preto brilhante. Os faróis e as lanternas led tem novas lentes escurecidas.

Interior do Macan GTS só tem materiais pretos

Interior do Macan GTS só tem materiais pretos (Divulgação/Porsche)

Por dentro, o preto também se faz presente mas de modo ainda mais predominante. Painel, bancos e teto são nessa cor. Segundo a fábrica, o preto traduz a esportividade do modelo.

Realmente, a cabine do Macan GTS não deixa dúvidas de que essa versão posicionada entre a S e a Turbo, é a mais visceral da linha. Mas o clima do ambiente não é composto apenas pela cor do revestimento. Os materiais também ajudam.

Nome da versão estampa os encostos de cabeça e os cintos são vermelhos

Nome da versão estampa os encostos de cabeça e os cintos são vermelhos (Divulgação/Porsche)

Os bancos, que são quase tão envolventes quanto bancos do tipo concha, são forrados de couro e Alcantara. Materiais também empregados nas laterais das portas. No painel, a faixa de central é de aço escovado.

Além da cor preta há também detalhes em vermelho que colaboram para mexer com os ânimos do piloto que existe em cada um de nós. O vermelho é a cor usada nas costuras dos bancos, nos emblemas GTS bordados nos encostos de cabeça, e no fundo do conta-giros.

Tirando a posição de dirigir elevada, o Macan GTS lembra bastante os cupês da Porsche

Tirando a posição de dirigir elevada, o Macan GTS lembra bastante os cupês da Porsche (Divulgação/Porsche)

O motor do Macan é o mesmo 2.9 V6 que já equipava a versão GTS mas com um novo sistema de sobrealimentação biturbo (no antecessor havia apenas um turbocompressor) e melhorias no sistema de injeção que lhe renderam 20 cv a mais de potência e 2 mkgf a mais de torque, totalizando 380 cv e 53 mkgf de torque.

Segundo a Porsche, combinado com o câmbio automatizado PDK de sete marchas e o pacote Sport Chrono (que permite ajustes esportivos para chassi, motor, transmissão) o novo motor é capaz de levar o Macan a acelerar de 0 a 100 km/h em 4,7 segundos e chegar aos 261 km/h de velocidade máxima. O ganho foi de 0,3 segundos e 5 km, na comparação com a versão antecessora.

Motor V6 2.9 agora é biturbo

Motor V6 2.9 agora é biturbo (Divulgação/Porsche)

Outra novidade está na suspensão. Equipado de série com o sistema ativo PASM (Porsche Active Suspension Management), o conjunto (duplo A nos dois eixos) foi rebaixado em 15 milímetros, para deixar o carro mais próximo do piso e melhorar não só sua estabilidade mas também a interação do motorista com o carro e com a via.

Nós dirigimos o novo Macan GTS na apresentação, nesta semana em Portugal, na região de Cascais, e constatamos essas mudanças.

Suspensão tem acerto próprio e é ajustável

Suspensão tem acerto próprio e é ajustável (Divulgação/Porsche)

Em relação ao motor, nos agradou as respostas prontas e a força com que o V6 empurra o carro, embora o fato da avaliação ter acontecido em ruas e estradas nem sempre nos permitisse maior liberdade para acelerar.

No que diz respeito ao comportamento dinâmico (direção, suspensão, freios), em certo momento a impressão era de que se estava ao volante de um cupê esportivo e não de um SUV.

 (Divulgação/Porsche)

Não dá para comparar a altura e a posição de dirigir do Macan com as de um Porsche 911, por exemplo, mas com os novos ajustes o GTS ficou parecendo com um automóvel com posição de dirigir elevada apenas, ou seja: mais baixa do que a de um SUV típico.

Essa configuração contribuiu muito para o prazer de dirigir, permitindo que o motorista sinta o tempo todo com o carro. Surgiu a dúvida de como seria o comportamento do Macan no fora-de-estrada. Eu nunca colocaria um Macan na terra, ainda mais um GTS, mas ele não deixa de ser um SUV, por isso minha questão.

 (Divulgação/Porsche)

Falei com um engenheiro da fábrica e ele me disse que realmente essa não seria a melhor coisa a se fazer com o carro, mas se alguém desejasse, poderia rodar com o Macan na terra sem problemas.

A transmissão do Macan é do tipo 4×4 sob demanda, com a distribuição do torque na razão de 20/80 dianteira/traseira, em condições normais de uso, mas pode chegar até 50/50 ou 100% traseira se o motorista desejar. Para isso basta acionar um comando no console.

 (Divulgação/Porsche)

Desde o modo de condução Normal, o GTS é um carro sempre presente. Além desse modo há ainda as opções S e S Plus, que deixam suspensão e direção mais firmes e troca de marchas em rotações maiores, e Individual, que permite ao motorista combinar diferentes ajustes para esses sistemas.

O som do motor também muda de acordo com o modo de condução. Discreto no modo Normal; ele sobe o tom, no modo Sport; e fica arrebatador, com estouros simulados de escapamento nas reduções de marchas, no modo Sport Plus. Tudo para deixar o motorista com ainda mais vontade de acelerar.

 (Divulgação/Porsche)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here