Versão Outsider inaugura a linha 2020 do Kwid

Versão Outsider inaugura a linha 2020 do Kwid (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Kwid Outsider deu as caras pela primeira vez no Brasil em 2016, no Salão do Automóvel de São Paulo. Na edição seguinte da mesma mostra, em 2018, ele voltou a aparecer.

Entre um Salão e outro, ficou mais discreto, trocando a carroceria laranja com frisos verdes de gosto duvidoso por uma combinação nas cores branca e preta, quase gêmea da versão que ilustra essa matéria e que cuja venda se inicia em maio.

Para reforçar o estilo aventureiro, porção central inferior é prateada

Para reforçar o estilo aventureiro, porção central inferior é prateada (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Não se iluda com o sobrenome diferente: o Kwid Outsider nada mais é do que uma versão com conteúdo muito próximo ao da Intense. Por R$ 43.990, ele tenta justificar a diferença para o Intense (R$ 41.890) com um tratamento mais jovial.

Um dos itens que mais chamam a atenção é a forração interna. Os bancos têm um tipo de tecido texturizado e decorado que passa uma impressão de melhor qualidade do que o do Intense, que imita couro.

Além dos bancos, os detalhes na cor laranja estão no câmbio e no volante.

Bancos são o grande destaque visual na cabine da versão Outsider

Bancos são o grande destaque visual na cabine da versão Outsider (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O grande porta-objeto no console – que antes tinha pouca serventia, justamente porque os itens ali colocados sambavam ao sabor das curvas –, agora é compartimentado, o que permite acomodar ali um copo e um celular, por exemplo.

Central multimídia agora tem Android Auto e Apple CarPlay

Central multimídia agora tem Android Auto e Apple CarPlay (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A central multimídia passou por uma evolução e agora é compatível com Apple CarPlay e Android Auto, seguindo o caminho inaugurado há pouco tempo pelos primos Sandero e Logan.

Ou seja, permite total integração com celulares com sistema operacional Apple e Android, o que significa uma operação descomplicada de aplicativos como Waze, Google Maps e Spotfy.

Agora, o porta-objetos é compartimentado. Até então, por ser muito grande, tudo nele ficava solto, o que o tornava uma fonte de barulho

Agora, o porta-objetos é compartimentado. Até então, por ser muito grande, tudo nele ficava solto, o que o tornava uma fonte de barulho (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Por fora, as mudanças buscaram valorizar o perfil de micro-SUV do Kwid.

As largas molduras pretas nas caixas de roda são as mesmas das outras versões, mas tanto na dianteira quanto na traseira ganharam a companhia de uma porção central dos para-choques pintada de cinza.

Nas laterais dos para-choques, o Outsider apresenta os faróis de neblina numa moldura plástica preta bem maior que as do Intense.

Quer se tornar um mecânico de sucesso? Clique aqui !

Motor, assim como câmbio e suspensão seguem os mesmos. Ou seja, a linha 2020 segue com 70/66 cv

Motor, assim como câmbio e suspensão seguem os mesmos. Ou seja, a linha 2020 segue com 70/66 cv (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Sobre o teto, o subcompacto ganhou barras longitudinais – outra estratégia para imprimir uma aura off-road, ainda que meramente aspiracional.

Um pouco mais abaixo, frisos substituem os adesivos vinílicos das versões Zen e Intense. As calotas seguem as mesmas do Intense, mas com pintura em preto brilhante em substituição ao cinza escuro.

No motor, tudo igual. Ainda assim, aproveitamos a oportunidade para atualizar os números do Kwid e submetemos o Outsider a um teste completo em nossa pista, em Limeira (SP). E não é que os resultados foram diferentes?

Na comparação com um Kwid Zen avaliado em 2017, o Outsider piorou em aceleração de 0 a 100 km/h (de 14,9 s para 15,8s), consumo urbano (14,7 km/l / 13 km/l), consumo rodoviário (18,5 km/l / 16,5 km/l) e retomadas de 40 a 80 km/h, 60 a 100 km/h e 80 a 120 km/h (8,6, 14,3, 26 s / 9,5, 16,1, 27,3s).

Nas provas de frenagem (de 60, 80 e 120 km/h a 0), o jogo se inverteu: (16,5, 28,9, 65,1 m / 15,3, 27,5, 63,2 m). Ainda bem, pois esse era um dos pontos mais dignos de crítica do hatch.

Onde está o mérito? Freios a disco ventilados na dianteira, em substituição aos sólidos aplicados até então. A boa notícia é que a novidade técnica estará presente em todos os Kwid que, assim como o Outsider, fazem parte da linha 2020.

As rodas seguem as mesmas, de aço com calota. Mas elas escondem a grande novidade: agora, o freio dianteiro tem discos ventilados, em vez de sólidos

As rodas seguem as mesmas, de aço com calota. Mas elas escondem a grande novidade: agora, o freio dianteiro tem discos ventilados, em vez de sólidos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

À parte dos números, o Kwid segue o mesmo.

Impressiona pelo baixo consumo (mesmo tendo piorado, continua bom) proporcionado pelo motor três-cilindros 1.0 12V aspirado de 70/66 cv, mas decepciona pelo excesso de ruído na cabine e pela suspensão que transmite insegurança em alta velocidade.

Revestimento texturizado tem aspecto mais atraente do que o da versão Intense, que imita couro

Revestimento texturizado tem aspecto mais atraente do que o da versão Intense, que imita couro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ficha técnica

Preço: R$ 43.990
Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros em linha, 999 cm³, 12V, 69 x 66,8 mm, 10:1, 70/66 cv a 5.500 rpm, 9,8/9,4 mkgf a 4.250 rpm
Câmbio: manual, 5 marchas, tração dianteira
Suspensão: McPherson (dianteira), eixo rígido (traseira)
Freios: disco sólido (dianteira), tambor (traseira)
Direção: elétrica, 3,5 voltas
Pneus: 165/70 R14
Dimensões: comprimento, 368 cm, largura, 157,9 cm; altura, 147,4; entre-eixos, 242,3 cm, porta-malas, 290 l; tanque, 38 l; peso, 806 kg

Ficha de teste

Aceleração
0 a 100 km/h: 15,8 s
0 a 1.000 m: 37 s – 137,3 km/h

Retomada
3a 40 a 80 km/h: 9,5 s
4a 60 a 100 km/h: 16,1 s
5a 80 a 120 km/h: 27,3 s

Frenagens
60/80/120 km/h – 0 m: 15,3/27,5/63,2 m

Consumo
Urbano: 13 km/l
Rodoviário: 16,5 km/l

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here