Esqueça essa ideia de que racks de teto são só algumas barras retas que servem para transportar carga

Olha o bumerangue!

 (Acervo/Quatro Rodas)

Baseado no conceito europeu Idea 5terre, em 2006 a Fiat lançou no Brasil a versão Adventure do monovolume. Um dos atrativos era o rack com formato de bumerangue. Segundo a marca, ele tinha efeito aerodinâmico: funcionava como um aerofólio quando não estava carregando bagagem.

Faixas contínuas

 (Acervo/Quatro Rodas)

Em 2010, o Citroën C3 AirCross agradou em cheio com a versatilidade de uma minivan aliada ao estilo off-road. E um dos seus diferenciais são as barras no teto que descem pelo para-brisa e dão uma continuidade às colunas A, formando um conjunto harmônico.

Gaiola das loucas

 (Acervo/Quatro Rodas)

Na primeira geração do Freelander, a Land Rover oferecia a rara versão duas portas cujo teto rígido podia ser removido (como num targa), mas que tinha uma gaiola de proteção, com a finalidade de servir como um acréscimo ao porta-malas de 311 litros.

Farol da barra

 (Acervo/Quatro Rodas)

Para reforçar a aparência robusta dos SUVs, as típicas barras de teto são item obrigatório. Assim, a Nissan instalou o conjunto na primeira geração do X-Trail (2000-2007). Só que ainda faltava a cereja do bolo, os faróis auxiliares. Adivinha onde eles foram parar?

Marea de azar

Led de roda se tornou tendências para os entusiastas automotivo para terem um novo visual, utilizando o led de roda seu passeio fica mais legal e animado, as luzes coloridas atraem a atenção de muitos espectadores. Clique aqui e saiba mais

A perua Marea Weekend ganhou recurso ousado e inédito nos anos 90: as lanternas verticais ficavam instaladas nas colunas C e tinham molduras que se estendiam para cima até se incorporarem às barras do rack, formando visualmente uma linha contínua.

Espírito aventureiro

 (Acervo/Quatro Rodas)

Nos anos 2000, a Mitsubishi lançou a versão Savana, com base na L200R III do Mitsubishi Cup. Voltada para aventura, exploração e esportes radicais, contava com GPS, guincho elétrico, compressor elétrico para pneu e até bagageiro com direito a escada de acesso.

Vai uma mãozinha aí?

 (Acervo/Quatro Rodas)

Em 2003, o stepside (fenda de apoio dos pés para acesso à carga) virou moda na Chevrolet Montana. Mas a rival Peugeot Hoggar, de 2009, copiou a ideia e ainda inseriu um rack que desce para a caçamba e serve de alça de acesso e também protege o vidro traseiro.

Suporte de lanterna

 (Acervo/Quatro Rodas)

Para peitar a estreante Renault Duster Oroch no segmento das picapes intermediárias, a Fiat não poupou esforços com a Toro, caprichando no visual. Nem o rack foi esquecido: ele conta com um suporte transversal com brake light embutido.

Bagagem despachada

 (Acervo/Quatro Rodas)

Derivada da picape Nissan Frontier, a Xterra chegou em 2003 trazendo itens com uma pegada off-road: estribos, para-choques e grande dianteira cinza. Para arrematar, um curioso bagageiro no teto com um maleteiro conjugado para transportar objetos.

Um é pouco, dois é bom?

 (Acervo/Quatro Rodas)

É comum uma perua ter racks longitudinais – é neles que são encaixados pequenas barras transversais removíveis para apoiar eventual carga. E não é que a Fiat resolveu inovar e lançou sua Palio Weekend com um inédito rack duplo, um sobre o outro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here